• FEMEH

O Racismo é estrutural e mantém a elite branca no poder

Jackson Fagundes Amorim[1]

Muito se fala sobre racismo no Brasil, mas que aqui, diferente do restante do mundo, ele não se apresenta tão escancaradamente. Mas será que realmente é verdade?

Todos os dias, no vai e vem de nossas rotinas, não paramos para analisar questões simples que refletem o racismo estrutural e escancarado em nossa sociedade, acabamos por normalizar o que não é normal e aceitar as agressões que o sistema opressor nos impõe. Essa é a discussão que queremos trazer, tendo a certeza que uma simples analise não vai contemplar a totalidade desse tema, mas com um olhar mais atento a alguns dados veremos de forma mais nítida nossa sociedade e abriremos espaço para novas discussões sobre o tema.

Você conhece o perfil da população brasileira? Conhece o perfil das pessoas que compõem dos poderes executivo, legislativo e judiciário? Conhece o perfil de nosso encarcerados? Conhece o perfil de nossos ricos e nossos pobres?

Abrindo o nossa analise vamos falar do perfil da população Brasileira. Vivemos em um país onde, segundo dados de 2018 do IBGE, [2]55,8% da população se declara negra, olhando esse dado podemos pensar que se temos uma maioria de negros devemos ter uma sociedade mais igual e justa, não é bem assim. Se olharmos os 10% mais ricos e os 10% mais pobres conseguimos ter um retrato da desigualdade. Entre 10% da população com maior rendimento per capita, brancos são 70,6%, enquanto os negros eram 27,7%, já entre os 10% mais pobres, isso se inverte: 75,2% são negros, e 23,7%, brancos, indo um pouco além e verificamos os [3]10 maiores bilionários do Brasil, veremos que todos são brancos.

A desigualdade socioeconômica fica explicita em outros espaços de nossa sociedade. Quem tem mais estuda mais, tem mais oportunidades e ocupa os principais cargos de comando do país. Essa questão fica nítida quando avaliamos nossas representações política no Governo Federal e no Congresso, e nosso poder judiciário.

Olhamos para o Governo Federal atual, o presidente e todos os seus ministros são brancos, e se olharmos o histórico dos presidentes do Brasil apena um deles era negro, [4]Nilo Peçanha (1867-1924), assumiu a presidência com a morte de Afonso Pena, de quem era vice. Se olharmos a última eleição veremos que dos [5]26 candidatos a presidente e vice presidente 73% eram brancos, apenas 5 deles se declaravam negros.

No Congresso Nacional tem 594 cadeiras, 513 da Câmara e 81 do Senado. [6]Na Câmara 24% dos deputados são negros, cerca de 122, e no senado 20% são negros, cerca de 16 senadores. Se olharmos para a liderança dos partidos na Câmara apenas 13% (4 deputados) e no Senado 24% (6 Senadores) são negros.

Na Suprema Corte Federal atual, todos os ministros são brancos. Só em [7]2012 Joaquim Barbosa se torna o primeiro presidente negro do Supremo Tribunal Federal (STF), sendo o único negro durante todo o período que esteve na corte.

Seguindo com nosso olhar sobre o poder Judiciário observaremos em seu último [8]censo, realizado em 2013, 15,6% dos magistrados brasileiros eram negros, onde deste conjunto 14,2% se declaram pardos e 1,4%, preto. Mas se olharmos para os dados de pessoas encarceradas no Brasil veremos que [9]61,7% são negros, enquanto os brancos são 37,22%, segundo o INFOPEN com dados de 2018. Se olharmos um pouco mais atentamente o perfil de nossos presos de em 2014, 75% dos encarcerados têm até o ensino fundamental completo, o que indica baixa renda, como mostram dados do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Indo um pouco além, falando de segurança pública ainda, veremos que [10]de cada 100 pessoas assassinadas no Brasil 71 são negras, e se observamos os assassinatos pela polícia esse número chega a 76%. Mas vocês sabem qual é o perfil dessa polícia? [11]A Pesquisa Perfil das Instituições de Segurança Pública de 2013, nos revela que nossa polícia militar e composta em 62% de brancos e se formos olhar para a Civil esse número vai para 71%.

Um pouco cansado? Ligue sua televisão! Nela você verá que somando as [12]7 maiores emissoras de televisão aberta do Brasil (Cultura, SBT, Rede Globo, Rede Record, RedeTV!, Gazeta e Bandeirantes) apenas 3,7% dos 272 apresentadores dos 204 programas que essas emissoras juntas tem são negro. São 10 apresentadores negros e 261 brancos.

Hoje no Brasil os brancos nos governam, criam as leis, nos julgam, nos vigiam, nos punem, nos matam e nos entretém.


___________________________ [1] Graduando em História pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Membro da Gestão Dom Adriano Hypolito do Centro Acadêmico de História da UFRRJ-IM, Coordenador Geral do Diretório Central do Estudantes da UFRRJ, Membro da Secretaria Geral da Federação do Movimento Estudantil de História Regional Sudeste e da Nacional. [2] MADEIRO, Carlos. Negros são 75% entre os mais pobres; brancos, 70% entre os mais ricos, 2019. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2019/11/13/percentual-de-negros-entre-10-mais-pobre-e-triplo-do-que-entre-mais-ricos.htm> Acesso em: 04 jun. 2020. [3] JÚNIOR, Amaury. Os 10 maiores bilionários do Brasil em 2019, 2019. Disponível em: <https://amauryjr.blog.bol.uol.com.br/2019/09/25/os-10-maiores-bilionarios-do-brasil-em2019/> Acesso em: 04 jun. 2020. [4] MOURA, Rogério. Nilo Peçanha, o primeiro negro Presidente do Brasil (1867-1924), 2017. Disponível em: < https://racismoambiental.net.br/2017/03/04/nilo-pecanha-o-primeiro-negro-presidente-do-brasil-1867-1924/> Acesso em: 04 jun. 2020. [5] VELASCO, Clara. “Percentual de candidatos negros cresce, mas segue abaixo da proporção da população”, G1, 2018. Disponível em: <https://g1.globo.com/politica/eleicoes/2018/eleicao-em-numeros/noticia/2018/08/25/percentual-de-candidatos-negros-cresce-mas-segue-abaixo-da-proporcao-da-populacao.ghtml> Acesso em: 04 jun. 2020. [6] BOLDRINI, Angela. “Bancada negra no Congresso é sub-representada em postos de comando”, Folha de São Paulo, 2019. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/11/bancada-negra-no-congresso-e-sub-representada-em-postos-de-comando.shtml> Acesso em 04 jun. 2020. [7] Joaquim Benedito Barbosa Gomes, saiba um pouco mais sobre sua bibliografia em: < http://www.stf.jus.br/portal/ministro/verMinistro.asp?periodo=stf&id=39> Acesso em: 04 jun. 2020. [8] “Pesquisa do CNJ: quantos juízes negros? Quantas mulheres?”, JF-RJ, 2018. Disponível em: <https://www.jfrj.jus.br/noticia/pesquisa-do-cnj-quantos-juizes-negros-quantas-mulheres> Acesso em: 04 jun. 2020. [9], “Sistema carcerário brasileiro: negros e pobres na prisão”, Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, 2018. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm/noticias/sistema-carcerario-brasileiro-negros-e-pobres-na-prisao> Acesso em: 04 jun. 2020. [10] MENEZES, Leilane. “Porcentagem de negros na pobreza e miséria dobrou em 5 anos no Brasil”. Metrópoles, 2018. Disponível em:< https://www.metropoles.com/brasil/direitos-humanos-br/negros-sao-maioria-nos-presidios-e-entre-as-vitimas-de-homicidios> Acesso em: 04 jun. 2020. [11] FIGUEIREDO, Isabel Seixas de. BAPTISTA, Gustavo Camilo. “Pesquisa perfil das instituições de segurança pública 2013 (ano-base 2012). Brasília: Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), 2014. Disponível em: < https://www.justica.gov.br/central-de-conteudo/senasp/anexos/pesquisa-perfil-2013_ano-base_2012.pdf> Acessado em 04 jun. 2020. [12] SANTANA, Henrique e SALLES, Iuri. “Por que os negros não apresentam programas de televisão”, VAIDAPÉ, 2017. Disponível em: < http://vaidape.com.br/2017/06/pesquisa-apresentadores-negros-na-televisao/> Acessado em 04 jun. 2020.

16 visualizações

Criado pela Secretaria de Comunicação da Federação do Movimento Estudantil de História

  • Ícone do Facebook Branco
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube